Piso de Tijolo no Jardim

tijolo maciço de barro acompanha a história da arquitetura na construção no mundo e já foi o grande protagonista das construções no Brasil. Os primeiros exemplares datam de 7500 a.C, eram feitos de modo artesanal e secos ao sol. Depois da Revolução Industrial, passaram a ser produzidos em larga escala e usados em diversos lugares. Mesmo assim, perdeu muito espaço para os blocos de tijolo convencionais (esses que sempre vemos nas obras) que agilizam a construção e acabam saindo mais baratos.

Os bons e velhos tijolos de barro ainda são muito utilizados de forma aparente (ou à vista, como também é conheido) e atraem por seu charme, beleza e textura. Combinam em obras rústicas ou contemporâneas. Os tamanhos e tipos se multiplicaram e novas cores já são oferecidas.
Dentre as suas principais vantagens estão a resistência e durabilidade; o conforto térmico e acústico, a versatilidade dos blocos que podem ser usados como estrutura e acabamento; a atemporalidade, pois nunca saem de moda.
Os tijolos aparentes podem formar diferentes desenhos na parede ou no piso. A composição mais tradicional é a chamada junta de amarração, em que as fiadas vão se alternando. Já no modelo espinha-de-peixe, os tijolos da base são assentados com a face larga à vista. Sobre eles, os mesmos tijolos compõem espinhas-de-peixe dois a dois. Mas é possível fazer a mesma composição com as laterais dos tijolos. No arranjo do tipo dama, duas plaquetas para piso formam quadrados, que se invertem. Na moldura, as peças ficam alinhadas.
  Obrigada pela visita. 

Comentários

Postar um comentário

.

.

Postagens mais visitadas